Fórum de Transparência, Participação e Controle Social

A Sociedade no Acompanhamento e Controle da Gestão Pública


New Document 1ª Consocial
Apresentação
Delegados Nacionais
Adesões Estaduais
Vídeos
Reunião online
Home


Propostas:

Nacional
Acre
Alagoas
Amapá
Amazonas
Bahia
Ceará
Distrito Federal
Espírito Santo
Goiás
Maranhão
Mato Grosso
Mato Grosso do Sul
Minas Gerais
Pará
Paraíba
Paraná
Pernambuco
Piauí
Rio de Janeiro
Rio Grande do Norte
Rio Grande do Sul
Rondônia
Roraima
Santa Catarina
São Paulo SPO
Sergipe
Tocantins

Contato: andre61@gmail.com
 
19/09/2014 - 20h53

Oficina hacker discute tecnologias para ampliar participação da sociedade no Parlamento

Transformar dados em soluções tecnológicas e ampliar a participação de mulheres e transgêneros na mídia e no Parlamento foram temas discutidos na abertura do hack weekend, nesta sexta-feira (19), no Laboratório Hacker da Câmara dos Deputados.

O hack weekend é parte da Semana Internacional de Parlamento – Global Legislative Openness Week (Glow) – que ocorre de 15 a 25 de setembro, com o objetivo de celebrar e fomentar a proximidade entre o Parlamento e a sociedade civil.

Segundo o coordenador do Laboratório Hacker, Cristiano Ferri, iniciativas que envolvem diversos países em torno da abertura dos parlamentos amenizam a profunda desconfiança em instituições governamentais e a ineficiência das políticas públicas. Ferri afirmou que a ênfase em canais digitais de participação, por exemplo, pode ensejar o ganho de legitimidade no processo decisório, o conhecimento sobre a atividade legislativa e sua transparência.

Ferri explicou que as atividades desenvolvidas pelo laboratório não se destinam a hackers, mas a todas as pessoas que têm “curiosidade sobre tecnologia e inovação”. Como exemplo de inovação aplicada à atividade parlamentar, o coordenador citou o “De Olho nas Emendas - ONE”, aplicativo que permite acompanhar o destino dos recursos financeiros criados por emendas parlamentares ao orçamento federal.

Banco de Ideias
Durante o evento, foi lançado o Banco de Ideias para o Hackaton de Gênero e Cidadania, com ênfase no debate entre especialistas e cidadãos sobre alternativas para aproximar a tecnologia às demandas sociais por mais transparência na administração pública e formas de efetivar o empoderamento feminino, por exemplo. A participação é direcionada a todos por meio de fórum on-line (http://edemocracia.camara.gov.br/web/espaco-livre).

O Hackaton de Gênero ocorre entre 24 e 28 de novembro e consiste em maratona que reúne hackers, programadores, desenvolvedores e inventores para criar projetos que transformem informações de interesse público em soluções digitais acessíveis aos cidadãos.

Os participantes desenvolverão aplicativos que possam contribuir para reduzir a violência contra a mulher e fortalecer as políticas de gênero. A maratona privilegiará duas linhas temáticas: violência contra mulher e políticas para promoção de cidadania e gênero.

Violência contra mulher
De acordo com Raquel Mesquita, assessora no laboratório, o debate é fundamental para que o Hackathon alcance seu objetivo em aprofundar a conscientização sobre temas polêmicos, como o crescimento do feminicídio – assassinato motivado pelo desprezo e ódio a mulheres. Rachel lembra que as regras da maratona exigem equipes mistas formadas por, pelo menos, uma mulher ou transgênero.

De acordo com a funcionária da Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados, Talita Victor, o enfrentamento da violência contra a mulher é um dos temas caros para a bancada feminina.

Talita argumenta que existem “direitos da mulher com baixa visibilidade na mídia, mas que são constantemente discutidos e vividos pela mulher parlamentar, como a desigualdade de salários e o preconceito direcionado às mulheres que exercem funções públicas”.

Uma das soluções para dar vigor ao debate sobre esses temas, segundo ela, “é facilitar o proximidade entre o trabalho legislativo e a sociedade, com a finalidade de educar sobre questões ainda polêmicas e obscuras para muitas pessoas, como gênero e sexo”.

Segundo a doutoranda do Departamento de Políticas Científicas e Tecnológicas da Unicamp Daniela Camila de Araújo, a maratona hacker pode constituir demonstrativo, ainda que em pequenas proporções, da presença feminina em cursos de ciências exatas e no desenvolvimento de ferramentas tecnológicas.

Camila também ressaltou que a transparência governamental e a abertura de dados permite aprimorar a democracia digital, ainda incipiente no País, e desenvolver a opinião pública.

Programação da Oficina Global Legislative Openness Week - Glow

Sexta – 19/09
14h – Lançamento do Banco de Ideias para o Hackaton de Gênero e Cidadania, com a participação da Secretaria da Mulher e do Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça da Câmara dos Deputados
16h – Integração: a experiência de trabalho colaborativo no COLAB, com a participação do Interlegis, da equipe de engenharia de software da UnB e da equipe do INDA (infraestrutura de dados abertos).


Sábado – 20/09
9h – Acompanhe onde o seu dinheiro é gasto. Conheça o projeto "Olho nas Emendas – ONE", com a participação da equipe ONE Brasil.
11h – Legislativo on demand: como sugerir conteúdos e informações legislativas que interessem a cada cidadão?
14h – Conheça o projeto Arduíno para a Cidadania, com a participação do grupo Arduino-Brasília.
16h – Visualizando discussões virtuais: um olhar cartográfico sobre a Democracia. Conheça o projeto "Mapa Participativo".

Domingo – 21/09
Livre para atividades/oficinas hackers.

Local
Laboratório Hacker, Anexo II, sala 173, Ala C - Câmara

Reportagem – Emanuelle Brasil
Edição – Pierre Triboli

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'