Fórum de Transparência, Participação e Controle Social

A Sociedade no Acompanhamento e Controle da Gestão Pública


New Document 1ª Consocial
Apresentação
Delegados Nacionais
Adesões Estaduais
Vídeos
Reunião online
Home


Propostas:

Nacional
Acre
Alagoas
Amapá
Amazonas
Bahia
Ceará
Distrito Federal
Espírito Santo
Goiás
Maranhão
Mato Grosso
Mato Grosso do Sul
Minas Gerais
Pará
Paraíba
Paraná
Pernambuco
Piauí
Rio de Janeiro
Rio Grande do Norte
Rio Grande do Sul
Rondônia
Roraima
Santa Catarina
São Paulo SPO
Sergipe
Tocantins

Contato: andre61@gmail.com
 
26/05/2014 - 08h14

PEC prevê fim da reeleição no Executivo e coincidência de mandatos

O fim da reeleição para cargos no Executivo é um dos pontos que alcançou maior consenso dentro do Grupo de Trabalho da Reforma Política. O mesmo, por outro lado, não pode ser dito em relação ao tamanho dos mandatos. A proposta elaborada pelos deputados (PEC 352/13) mantém esse período em quatro anos, mas o GT ficou divido quanto à possibilidade de ampliação dos mandatos para cinco ou até seis anos.

O deputado Chico Alencar (Psol-RJ) defende a permanência dos eleitos no poder por cinco anos, porém ressalta que o importante é acabar com o instituto que, na visão dele, transforma o mandato em uma permanente campanha pela recondução. "A reeleição para cargos do Executivo tem feito com que, muitas vezes, o eleito tome posse já pensando na própria reeleição e a sua administração fica muito condicionada por essa perspectiva”, comenta.

Arquivo/ Beto Oliveira

Chico Alencar

Chico Alencar: reeleição faz com que o eleito tome posse já pensando em continuar no poder.

 

O fim da reeleição proposto pelo GT se limita aos cargos de presidente, governador e prefeito. Alencar, no entanto, diz que também deveria haver limite para a recondução nos cargos do Legislativo, visto que quem tem mandato sempre sai com vantagem na disputa.

"Não digo nem que não se deva reeleger parlamentares, porque a experiência em legislaturas contribui para o trabalho. Agora, talvez devêssemos estabelecer um limite, de três ou quatro mandatos consecutivos. Isso renova a política”, acrescenta o deputado do Psol.

Máquina pública
O PT, que votou contra a reeleição à época da mudança na Lei Eleitoral, já não demonstra a mesma convicção. O ministro de Relações Institucionais, Ricardo Berzoini, argumenta que o fim da reeleição não é garantia de fim do uso da maquina pública nas eleições.

"O fato de haver reeleição não significa que você vai ter mais uso da máquina ou menos. Esse argumento é usado sistematicamente para querer enquadrar o ser humano em uma regra para ver se ele para de fazer coisas erradas. Mas o ser humano faz coisas erradas e é, para isso, que existe lei e punição", diz Berzoini.

Coincidência de mandatos
Outra novidade da PEC da Reforma Política é a coincidência de mandatos. Ou seja: as eleições para todos os cargos dos poderes Executivo e Legislativo - nos âmbitos federal, estadual e municipal - seriam realizadas no mesmo ano.

Segundo o deputado Renato Molling (PP-RS), essa medida ajudará a melhorar a gestão pública. "Todo ano eleitoral, convênios e obras são paralisados. Assim, o Brasil desperdiça recursos, os municípios também perdem muito tempo. Com a unificação, começaria tudo do zero e se trabalharia junto os quatro anos", sustenta.

Para possibilitar a coincidência dos mandatos, a previsão é estender de quatro para seis anos os mandatos dos prefeitos eleitos em 2018, de modo que, a partir de 2022, as eleições sejam sempre conjuntas.