Fórum de Transparência, Participação e Controle Social

A Sociedade no Acompanhamento e Controle da Gestão Pública


New Document 1ª Consocial
Apresentação
Delegados Nacionais
Adesões Estaduais
Vídeos
Reunião online
Home


Propostas:

Nacional
Acre
Alagoas
Amapá
Amazonas
Bahia
Ceará
Distrito Federal
Espírito Santo
Goiás
Maranhão
Mato Grosso
Mato Grosso do Sul
Minas Gerais
Pará
Paraíba
Paraná
Pernambuco
Piauí
Rio de Janeiro
Rio Grande do Norte
Rio Grande do Sul
Rondônia
Roraima
Santa Catarina
São Paulo SPO
Sergipe
Tocantins

Contato: andre61@gmail.com

Câmara adia votação de Plano Diretor e sem-teto entram em confronto com a PM
Texto não será votado nesta terça por falta de relatórios de cinco comissões
29 de abril de 2014 Fonte e créditos: Estadão

SÃO PAULO - Cerca de 3 mil sem-teto entraram em confronto com a Polícia Militar no centro de São Paulo, por volta das 17h20 desta terça-feira, 29, logo após o presidente da Câmara Municipal, José Américo (PT), anunciar o adiamento da votação do Plano Diretor. Por falta de relatórios de cinco comissões - Saúde, Educação, Transporte, Administração Pública e Finanças -, os vereadores suspenderam a primeira discussão, prevista para a noite desta terça. Os relatórios precisariam antes ser publicados no Diário Oficial da Cidade.

Logo após o anúncio, os sem-teto que fechavam as duas vias de acesso ao Viaduto Jacareí, no centro, e pressionavam os vereadores para votar o projeto se revoltaram. Eles começaram a atirar pedras contra o Palácio Anchieta e queimaram banheiros químicos que estavam na rua. Grupos liderados pelo Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) destruíram as grades que cercavam a sede do Legislativo.

A reação da Tropa de Choque da Polícia Militar e da Guarda Civil Metropolitana (GCM) foi imediata. Os PMs começaram a lançar bombas de gás contra os manifestantes, que montaram barricadas de fogo. A confusão durou mais de uma hora, se espalhou pela região e chegou até a Praça da Sé.

Um restaurante ao lado da Câmara foi incendiado e pelo menos sete ruas foram bloqueadas com montanhas de pneus queimados. Dentro do plenário, a sessão foi suspensa após alguns sem-teto começarem a lançar pedaços de madeira arrancados das galerias nos vereadores.

Tensão. "Podem tacar fogo nos pneus, quebrar as grades, que vocês não ajudaram em nada", afirmou o presidente da Câmara ao suspender a sessão. "A história vai mostrar que vocês atrapalharam", disse Américo, enquanto bombas de gás explodiam do lado de fora do plenário. Um PM atingido com uma pedra no rosto ficou ferido e foi levado para o pronto-socorro da Casa.

Vereadores da oposição acusaram o prefeito Fernando Haddad (PT) pelo incidente - na semana passada, ele subiu em um carro de som dos grupos de sem-teto na frente da Prefeitura e pediu para que eles pressionassem a Câmara a aprovar o novo Plano Diretor, que prioriza a construção de moradias populares em áreas centrais da cidade, nas chamadas Zonas de Interesse Social (Zeis).

"Tudo o que aconteceu aqui foi fruto de uma irresponsabilidade do prefeito. Ele incitou os manifestantes", afirmou Floriano Pesaro, líder do PSDB. O PT rebateu as críticas de forma tímida, por meio do vereador Paulo Fiorilo. "É uma irresponsabilidade acusar o prefeito, a oposição não pode fazer isso", disse.

Tumulto. Durante o protesto, como os vidros da fachada do Palácio Anchieta são blindados, os manifestantes tentaram atingir as janelas laterais. As salas das lideranças do PSDB e do PSB tiveram as janelas destruídas. Funcionários passaram mal com o cheiro de gás. Enquanto isso, o centro vivia momentos de "campo de batalha".

Os manifestantes partiram, no início da noite, rumo à Catedral da Sé. Pelo caminho, os sem-teto atearam fogo em entulhos e sacos de lixos, o que causou reflexos no trânsito de avenidas como a 9 de Julho e a 23 de Maio. A polícia usou balas de borracha e bombas de efeito moral para tentar dispersar a multidão e acelerar o passo dos manifestantes até a Sé, onde se concentraram por volta das 19h.

Quem deixava o trabalho era pego de surpresa e houve pânico. "Estava indo para o ponto de ônibus na (Avenida) Brigadeiro Luís Antônio quando vi a manifestação e uma bomba foi lançada. Tentei me esconder atrás de uma banca de jornal, mas, quando ela estourou, acertou minha perna", disse o ajudante geral Alan Maceno, de 21 anos, mostrando o ferimento.

Um efetivo policial se dirigiu à região em um ônibus. No Viaduto Jacareí e no começo da Brigadeiro, um forte cheiro de gás lacrimogêneo assustou as pessoas que permaneciam nas lojas e no interior dos prédios.

Às 20h30, parte dos manifestantes que continuavam reunidos na Sé decidiu voltar à Câmara. Eles decidiram passar a noite na frente da sede do Legislativo Municipal.