Fórum de Transparência, Participação e Controle Social

A Sociedade no Acompanhamento e Controle da Gestão Pública


New Document 1ª Consocial
Apresentação
Delegados Nacionais
Adesões Estaduais
Vídeos
Reunião online
Home


Propostas:

Nacional
Acre
Alagoas
Amapá
Amazonas
Bahia
Ceará
Distrito Federal
Espírito Santo
Goiás
Maranhão
Mato Grosso
Mato Grosso do Sul
Minas Gerais
Pará
Paraíba
Paraná
Pernambuco
Piauí
Rio de Janeiro
Rio Grande do Norte
Rio Grande do Sul
Rondônia
Roraima
Santa Catarina
São Paulo SPO
Sergipe
Tocantins

Contato: andre61@gmail.com

Número mínimo para propor um projeto de lei passa a ser de 700 mil assinaturas
10.07.13 Brasil
Legislativo

Senado facilita apresentação de projetos populares

Número mínimo para propor um projeto de lei passa a ser de 700 mil assinaturas; texto segue para Câmara
Laryssa Borges, de Brasília
Congresso Nacional (Antonio Cruz/Agência Brasil)

Como parte do que considera uma agenda positiva para dar resposta aos recentes protestos populares, o plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira, em dois turnos e por unanimidade, emenda à Constituição que reduz o número de assinaturas necessárias para a população sugerir leis ao Congresso Nacional. Atualmente, para serem apresentadas, essas propostas exigem a assinatura de pelo menos 1% do universo de eleitores aptos a votar no país e não valem para mudanças constitucionais.

Pelas novas regras aprovadas pelo Senado e agora submetidas à Câmara, as propostas de iniciativa popular poderão ser direcionadas tanto para projetos de lei como para alterações na Constituição. No primeiro caso, será necessário recolher assinaturas em quantidade suficiente a 0,5% do eleitorado nacional (cerca de 700.000 assinaturas). Para propostas de emenda constitucional (PEC), a exigência será de apoiamento de pelo menos 1% do eleitorado (aproximadamente 1,4 milhão de assinaturas).

Ao longo do dia, parlamentares chegaram a defender que a quantidade de apoios dos eleitores fosse exigida com base nos votos válidos na última eleição para deputado federal, mas a proposta não foi levada adiante no plenário. As assinaturas poderão ser recolhidas via internet, mas uma regulamentação específica ainda precisará ser elaborada para detalhar como será feita a segurança do processo.

De acordo com o texto confirmado pelos senadores, o eleitorado também pode, por meio de projetos de iniciativa popular, propor emendas a propostas que já estão em tramitação no Congresso Nacional. Ainda pela versão aprovada pelo Senado, os projetos resultantes de mobilização popular só poderão tramitar na Câmara e no Senado em regime de prioridade caso consigam apoio de pelo menos um partido político com representatividade nas duas Casas legislativas.


Brasil
10/07/2013 - 14:26
Congresso
Comissão do Senado aprova emenda que facilita projetos de iniciativa popular

População poderá apresentar sugestões para mudar a Constituição
Laryssa Borges, de Brasília

Plenário do Senado durante sessão deliberativa (Arthur Monteiro/Agência Senado)

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou nesta quarta-feira uma emenda constitucional que reduz o número de assinaturas necessárias para a população sugerir leis ao Congresso Nacional. Atualmente, para serem apresentadas, essas propostas exigem a assinatura de pelo menos 1% do universo de eleitores aptos a votar no país e não valem para mudanças constitucionais.

Pela versão aprovada nesta quarta, as propostas de iniciativa popular poderão ser direcionadas tanto para projetos de lei quanto para alterações na Constituição. Também passam a ser válidas assinaturas recolhidas na internet, desde que tenham a veracidade atestada. Os projetos resultantes de mobilização popular terão, necessariamente, que tramitar na Câmara e no Senado em regime de urgência.

Conforme o texto aprovado pelos senadores, no caso de projetos de lei, diminuirá a exigência na quantidade de assinaturas - passarão a ser exigidas 700.000 pessoas (0,5% do eleitorado), distribuídas em pelo menos cinco estados. Para propostas de emenda à Constituição, por abordar temas complexos, a exigência será de pelo menos 1% de assinaturas do eleitorado nacional, distribuído em pelo menos cinco estados.

A redução do total de assinaturas necessárias para se apresentar projetos de iniciativa popular faz parte do pacote de medidas que o Senado tenta aprovar em resposta aos protestos nas ruas.