Fórum de Transparência, Participação e Controle Social

A Sociedade no Acompanhamento e Controle da Gestão Pública


New Document 1ª Consocial
Apresentação
Delegados Nacionais
Adesões Estaduais
Vídeos
Reunião online
Home


Propostas:

Nacional
Acre
Alagoas
Amapá
Amazonas
Bahia
Ceará
Distrito Federal
Espírito Santo
Goiás
Maranhão
Mato Grosso
Mato Grosso do Sul
Minas Gerais
Pará
Paraíba
Paraná
Pernambuco
Piauí
Rio de Janeiro
Rio Grande do Norte
Rio Grande do Sul
Rondônia
Roraima
Santa Catarina
São Paulo SPO
Sergipe
Tocantins

Contato: andre61@gmail.com

20/05/2012
Estudante faz tese de doutorado sobre a Consocial
www.consocial.cgu.gov.br/noticias/estudante-faz-tese-de-doutorado-sobre-a-consocial
Segundo o cientista político espanhol Alfredo Ramos, o Brasil é o país com mais inovações participativas do mundo

O cientista político espanhol Alfredo Ramos, 33 anos, mudou-se para o Brasil em outubro de 2011 para pesquisar sobre democracia participativa, tema que será usado em sua tese de doutorado. Bolsista da Agencia Española de Cooperación y Desarrollo, estudante da Universidade Complutense de Madrid, o doutorando desenvolve sua tese sobre conferências nacionais.

Participando como observador da Etapa Nacional da 1ª Conferência Nacional sobre Transparência e Controle Social (1ª Consocial), Alfredo esteve presente, ainda, nas Etapas Municipal e Livre de Belo Horizonte (MG) e nas Estaduais de Minas Gerais e São Paulo. “Acredito que o fato de as pessoas de todo o Brasil terem o direito de pensar democraticamente como melhorar o controle e a transparência já é muito significativo. Depois melhora a capacidade de articulação cidadã para pressionar as políticas públicas nos três níveis de governo”, diz.

Segundo Alfredo, o Brasil é o país com mais inovações participativas do mundo. “Na Europa não existe nenhuma conferência nem nada parecido. Inovações como o orçamento participativo começaram no início do ano 2000. O desenvolvimento aconteceu depois dos diversos intercâmbios e troca de informações entre movimentos sociais, municípios e pesquisadores. Na Europa existem fundamentalmente mecanismos em nível local. Salvo experiências particulares, não existe nada como as conferências nacionais realizadas no Brasil”, explica.

Quando o cientista político saiu de Madri, sua intenção era estudar a mudança do padrão participativo do Brasil. “Acho ótimo o trabalho da Consocial em divulgar o perfil dos participantes, porque em outras conferências que acompanho, como Políticas para Mulheres e Assistência Social, isso não ocorre”, disse.

Para Alfredo, um dos impactos da Consocial será construir uma agenda cidadã e governamental para a luta contra a corrupção a partir de muitas e diversificadas propostas que amplificam a maneira de entender a transparência.