Fórum de Transparência, Participação e Controle Social

A Sociedade no Acompanhamento e Controle da Gestão Pública


New Document 1ª Consocial
Apresentação
Delegados Nacionais
Adesões Estaduais
Vídeos
Reunião online
Home


Propostas:

Nacional
Acre
Alagoas
Amapá
Amazonas
Bahia
Ceará
Distrito Federal
Espírito Santo
Goiás
Maranhão
Mato Grosso
Mato Grosso do Sul
Minas Gerais
Pará
Paraíba
Paraná
Pernambuco
Piauí
Rio de Janeiro
Rio Grande do Norte
Rio Grande do Sul
Rondônia
Roraima
Santa Catarina
São Paulo SPO
Sergipe
Tocantins

Contato: andre61@gmail.com

Terceiro setor presente na 1ª Consocial
18/05/2012
http://www.consocial.cgu.gov.br/noticias/terceiro-setor-presente-na-1-consocial/

Vera Masagão, diretora-executiva da Associação Brasileira das Organizações Não Governamentais (ABONG) lembra que a 1ª Consocial é resultado de uma participação importante das redes de organização da sociedade civil

Para a diretora-executiva da Associação Brasileira das Organizações Não Governamentais (ABONG), Vera Masagão, a 1ª Consocial é resultado de uma participação importante das redes de organização da sociedade civil. Durante pronunciamento na abertura do evento ela lembrou que, em 2009, a Articulação Brasileira contra a Corrupção e a Impunidade (ABRACCI), que congrega 80 entidades de todo o País, apresentou à CGU a ideia da Conferência, que depois foi abraçada por outras entidades.

De acordo com Vera Masagão, a participação dos setores organizados foi e é importante, mas o desejo de governos mais íntegros vai além. “Essa vontade pode ser captada nas conversas cotidianas das pessoas comuns e também nas manifestações de massa, a maioria delas capitaneadas pela juventude”, explica. Em suas palavras, essa efervescência somada a algumas conquistas institucionais, a exemplo dos governos participativos, das conferências de políticas públicas, da instalação de mecanismos de prestação de contas, das Leis de Improbidade Administrativa, de Responsabilidade Fiscal e da Transparência, projetam essa luta inclusive na arena internacional.

Uma das consequências disso, segundo a diretora-executiva, é o fato de o Brasil ocupar, ao lado de outros seis países, a liderança da parceria pelo governo aberto, que é uma iniciativa mundial de promover a boa governança e o fortalecimento da sociedade civil e que conta hoje com o engajamento de mais de 40 países.

Para avaliar a responsabilidade deste trabalho, algumas balizas são consideradas, como os anseios da população, a projeção do Brasil na arena global, as energias dos milhares de participantes das etapas da 1ª Consocial e de outros processos conferenciais, além do legado de pessoas que tiveram que sacrificar a vida ou que sofreram torturas e que ainda hoje são ameaçadas por lutar por democracia, pela verdade e pelo direito à informação pública.

Neste contexto, Vera Masagão, representante das ONGs, fez o convite a todos os participantes da 1ª Consocial a se engajarem neste processo, principalmente no pós-conferência. “Vamos implementar a Lei de Acesso à Informação; vamos fechar as brechas da nossa legislação que preservam, ainda, a impunidade; vamos construir um verdadeiro sistema de participação social no País; vamos conquistar a reforma política que o País precisa; e vamos levantar a bandeira da transparência e do controle social e defender nossos direitos”, finalizou.